São Gabriel: Meninos e meninas devem tomar segunda dose de vacina contra o HPV

Imagem: Divulgação

A Secretaria de Saúde informa que se encontra disponível nas unidades de saúde a vacinação para aqueles que não receberam a primeira dose durante a última campanha.

17/09/2018 às 11:21 | da Assessoria

A Secretaria de Saúde de São Gabriel do Oeste iniciou a segunda etapa da vacinação contra o HPV (Papiloma Vírus Humano) para os adolescentes que já tomaram a vacina. A convocação é do Ministério da Saúde. Em Mato Grosso do Sul, a expectativa é de vacinar 116,5 mil meninas de 9 a 14 anos e 140,4 mil meninos de 11 a 14 anos. A proteção só é completa quando aplicadas as duas doses da vacina.

A vacina HPV é eficaz e protege contra vários tipos de cânceres em mulheres e homens. Para garantir a vacinação deste público em todo o país, o Ministério da Saúde investiu R$ 567 milhões na aquisição de 14 milhões de vacinas. A campanha, que não tem prazo para seu encerramento, pretende imunizar todos os meninos e meninas que já receberam a primeira dose durante 2017 e o início de 2018.

A Secretaria de Saúde também informa que se encontra disponível nas unidades de saúde a vacinação para aqueles que não receberam a primeira dose durante a última campanha. Para receber a vacina, o adolescente deverá dirigir-se à sua unidade de saúde; é necessário apresentar o cartão de vacinação.

HPV NO BRASIL

Segundo estudo realizado pelo projeto POP-Brasil em 2017, a prevalência estimada do HPV no Brasil é de 54,3 %. O estudo entrevistou 7.586 pessoas nas capitais do país. Os dados da pesquisa mostram que 37,6 % dos participantes apresentaram HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

O estudo indica ainda que 16,1% dos jovens tem uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) prévia ou apresentaram resultado positivo no teste rápido para HIV ou sífilis. Os dados finais deste projeto serão disponibilizados no relatório a ser apresentado ao Ministério da Saúde até o final do ano.

Estudos internacionais também apontam o impacto da vacinação na redução do HPV. Nos EUA, dados mostram uma diminuição de 88% nas taxas de infeção oral por HPV. Na Austrália, redução da prevalência de HPV de 22.7% (2005) para 1.5% (2015) entre mulheres de 18–24 anos. Outro estudo internacional mostra que nos EUA, México e Brasil entre homens de 18 a 70 anos: brasileiros (72%) têm mais infecção por HPV que os mexicanos (62%) e norte-americanos (61%). 

CÂNCER 

A vacina HPV previne vários tipos de cânceres contribuindo com a redução da incidência de cânceres nas mulheres e homens. No mundo, dos 2,2 milhões de tumores provocados por vírus e outros agentes infecciosos, 640 mil são causados pelo HPV.

A vacina utilizada no país previne 70% cânceres do colo útero, 90% câncer anal, 63% do câncer de pênis, 70% dos cânceres de vagina, 72% dos cânceres de orofaringe e 90% das verrugas genitais. Além disso, as vacinas HPV protegem contra o pré-câncer cervical em mulheres de 15 a 26 anos, associadas ao HPV16 /18. As vacinas é segura e não aumenta o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez. 

ESCOLAS 

O Ministério da Saúde enviou ao Ministério da Educação material informativo sobre as doenças. A ideia é estimular os professores a conversem com os alunos e familiares sobre o tema. O Brasil é o primeiro país da América do Sul e o sétimo do mundo a oferecer a vacina HPV para meninos em programas nacionais de imunizações.

Carregando comentários...
Notícias
Saúde

O Idest utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.