Sonora: Diretor da estadual anuncia fechamento da escola para reforma e revolta pais e alunos

Uns dos locais para onde os alunos serão remanejados.
Imagem:

Diretor diz que será necessário.

28/09/2021 às 10:23 | do Idest, Eder Pereira

Mesmo que seja para um bem maior, que é a tão sonhada reforma da Escola Estadual Mauricio Coutinho Dutra, em Sonora, o anúncio do fechamento total revoltou pais e alunos. O diretor da escola Valtedon Martins Novães anunciou o fechamento parcial da escola a partir do dia 1º de outubro e as salas e todo corpo administrativo serão remanejados para salas alugadas espalhadas pela cidade. O remanejamento total dos alunos deve acontecer até final de outubro.

Depois de aproximadamente um ano e meio fechada por conta da pandemia, a única escola estadual da cidade deverá ficar fechada por mais um ano, prazo previsto para realização da reforma.

Revolta de pais e alunos 

Em grupos de aplicativos de mensagens e em redes sociais, pais e alunos não receberam bem a notícia do fechamento da escola, que segundo eles, poderia ter feito durante a pandemia ou esperar o final do ano letivo para a realização da obra, diminuindo o tempo fora da escola. 

Os locais 

Dois salões serão alugados pelo Governo do Estado, que serão adaptados para receber os alunos enquanto a escola fica fechada. Os dois locais indicados pelo diretor não possuem pátios ou espaços para praticas de esportes ou recreação. Ao todo serão 14 salas, parte em um prédio na avenida do Povo onde era uma igreja e outra parte no prédio onde era a loja Romera. 

Valtedon 

Segundo Valtedon, a liberação de recursos só veio após a visita de técnicos do Governo que condenaram a estrutura física do prédio.

“O telhado esta escorado, a blocos que existe buracos que cabem um carro, banheiros e caixas de gorduras fedem e atrapalham o desempenho dos alunos e por isso decidimos remanejar os alunos para locais adaptados, enquanto ocorre a reforma”, destacou Valtedon.

Valtedon disse ainda que vão fazer de tudo para que os alunos não fiquem prejudicados e que não percam o ano letivo.

“Infelizmente existe uma burocracia, até queríamos que fosse durante a pandemia no período em que a escola ficou fechada, mas não foi possível e não podemos também esperar as férias, por que a verba já foi liberada e não podemos perder”, comentou.

O diretor disse também que todos telhados serão arrancados, banheiros refeitos e toda parte hidráulica e esgoto também.

“Como é uma obra grande com risco, os engenheiros recomendaram que retirasse os alunos do local enquanto é feito a reforma, assim ninguém corre perigo de se machucar. Pedimos paciência e compreensão aos pais e alunos, mas tudo é para o bem da nossa escola e o futuro dos nossos alunos”, concluiu Valtedon.

Carregando comentários...
Notícias
Educação

O Idest utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.