anunciante ads patrocinio

Mato Grosso do Sul, 25 de junho de 2022

Com agro em alta, conselho do FCO define prioridades para viabilizar recursos a novos investimentos

Entre as prioridades estabelecidas pelo CEIF-FCO estão os projetos de suinocultura e avicultura.
11/05/2022 às 15:08
da Redação, Marcelo Armôa
(Divulgação)

Com uma alta demanda do agronegócio e crescente procura do setor empresarial sul-mato-grossense por recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), o Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO (CEIF-FCO), aprovou deliberações com critérios de prioridade para garantir distribuição adequada dos recursos do Fundo para viabilizar novos empreendimentos em Mato Grosso do Sul. A informação foi dada pelo titular da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, após reunião do CEIF-FCO realizada na terça-feira (10).

Entre as prioridades estabelecidas pelo CEIF-FCO estão os projetos de suinocultura e avicultura. “Na suinocultura, já foram internalizados cerca de R$ 340 milhões neste ano e temos demanda adicional em diversos municípios como Sidrolândia, Terenos, Bandeirantes, Rio Negro, Jaraguari e na região sul do Estado, nas integradoras”, informou o titular da Semagro, que preside o conselho do Fundo no Estado.

Mato Grosso do Sul conta com R$ 2,3 bilhões disponibilizados para contratação de empréstimos via FCO em 2022. “Metade desse recurso deve atender às demandas do setor rural e, a outra metade aos projetos nas áreas de indústria, comércio, serviços, turismo e infraestrutura”, lembrou Verruck. Na última reunião do CEIF-FCO foram aprovados R$ 208.059.359,16 em novos investimentos, sendo R$ 77.848.105,25 em projetos na linha do FCO Empresarial e R$ 196.211.253,91 no FCO Rural.

“Isso demonstra que o agronegócio sul-mato-grossense continua investindo, por isso temos hoje uma pressão de demanda muito forte no FCO Rural. Naquilo que temos de pedidos internalizados no banco, já ultrapassamos 100% do orçamento previsto para esse segmento no ano de 2022, mas vamos continuar recebendo cartas-consulta. Na reunião do CEIF observamos muitos projetos de irrigação, que decorrem da preocupação com o período de seca, a fim de evitar prejuízos como no ano passado. Temos também uma crescente procura de financiamento para reforma de pastagem, correção e conservação do solo, além de armazenagem, mas a grande demanda permanece em máquinas e equipamentos”, comentou o titular da Semagro.

Com a implantação das mudanças defendidas pelo Governo do Estado, que contemplaram o FCO Empresarial com uma melhor taxa de juros, oferecendo aos empreendedores a opção pela taxa pré-fixada, a Semagro monitora o comportamento do setor. “Nós já observamos uma demanda adicional do comércio, indústria serviços e turismo, podendo atingir, em agosto, a totalidade do recurso disponível no Fundo, também para esse segmento”, disse o secretário. A previsão, segundo ele, é de que, no mês de agosto, haja uma redistribuição dos recursos do FCO entre os estados do Centro-Oeste. “Somente então saberemos se haverá recurso adicional e a prioridade é do FCO Empresarial”, finalizou Jaime Verruck.