Tiques e manias: quando procurar ajuda?

Imagem: Reprodução Bem Estar

Não existe uma explicação para o surgimento do tique. Ele começa devagar e vira um hábito.

28/11/2019 às 11:10 | Bem Estar/Globo.com

Muita gente, desde bem pequena, desenvolve manias. Roer unha, piscar os olhos, estalar o dedo, mexer no cabelo... Mas é preciso procurar ajuda? Os tiques são movimentos motores ou vocais rápidos, repetitivos e que a pessoa faz, muitas vezes, sem perceber.

Não existe uma explicação para o surgimento do tique. Ele começa devagar e vira um hábito. Os mais comuns são: pigarrear, tossir, grunhir, estalar a língua, repuxar a cabeça, entortar o pescoço (ou estalar), piscar, fazer caretas, estalar os dedos.

E quando tratar? Segundo o psiquiatra e consultor do Bem Estar, Daniel Barros, um tique precisa de atenção quando começa a prejudicar a vida de quem o tem. Crianças, por exemplo, podem começar a sofrer bullying. Daí é hora de acender o sinal de alerta e procurar ajuda.

O tratamento pode ser feito com terapia e/ou remédios. Há alguns tipos de neurolépticos que ajudam a diminuir a ocorrência dos tiques. Esses medicamentos bloqueiam os receptores de dopamina, que estão envolvidos as manifestações de tiques.

Tique e mania: quais as diferenças? “Estalar o dedo, roer unha, isso são manias. O tique é um comportamento que vem de repente, repetitivo, e a pessoa faz sem propósito, tipo um espasmo”.

Carregando comentários...
Notícias
Saúde