Projeto da Câmara de São Gabriel do Oeste visita Central de Regulação Municipal

Imagem: Divulgação assessoria

Projeto Conhecendo para Atender Melhor possui como intuito inteirar os servidores sobre o funcionalismo público, para o devido encaminhamento das demandas da população que chegam até a Câmara de Vereadores.

10/10/2019 às 14:54 | da Assessoria, Paola Ximenes

Os Assessores Parlamentares da Câmara Municipal de São Gabriel do Oeste visitaram, na manhã desta quinta-feira (10), a Central de Regulação Municipal para conhecer a estrutura administrativa, funcionalidade e atendimentos prestados. A visita faz parte do projeto “Conhecendo para Atender Melhor” que possui como intuito inteirar os servidores sobre o funcionalismo público, para o devido encaminhamento das demandas da população que chegam até a Câmara de Vereadores.

Importante ferramenta de gestão do sistema de saúde pública, a Central de Regulação Municipal regula procedimentos de média e alta complexibilidade do sistema ambulatório. Recebidos pela Coordenadora da Central de Regulação Municipal, Arilene Cidrao Rosa, os assessores tiraram as suas dúvidas e puderam conhecer sobre o funcionalismo que passa por uma mudança de cadastramento e números de atendimentos.

“Atualmente colocamos as consultas no sistema, onde estamos passando por um processo de transição porque o Estado está terceirizando o sistema para o Complexo Regulador Estadual (Core). Essa mudança dificultou um pouco o nosso trabalho por ainda estarmos aprendendo a lidar. [...] Então, todos os procedimentos devem passar por esta fase de transição de sistema do Sistema Nacional de Regulação (Sisreg) para o Core. Temos um setor que recebe muitas demanda, há dias que atendemos de 100 a 150 pacientes. Todas as unidades de saúde, Centro de Especialidades Médicas (CEM), Casa Rosa, pacientes de Campo Grande são direcionados para nós”, explica à coordenadora Arilene Rosa.

Contribuindo para garantir de forma mais ágil e organizada o acesso dos pacientes às consultas e aos exames oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a Prefeitura disponibilizou dois estagiários para compor o quadro de funcionários deste local que, também, abriga a Coordenadoria do Transporte da Saúde e a Coordenadoria de Assistência ao Usuário - Tratamento Alto Custo.

Sobre os agendamentos das consultas e exames realizados em outros município, a coordenadora informa que por se tratar de um sistema regional, as demandas são atendidas conforme a disponibilidade do Estado.

“Às vezes o que a população não entende é que não depende dos funcionários, Executivo ou Legislativo, depende do Estado. Nós trabalhamos com um sistema de regulação ambulatorial, então, no ambulatório não existe urgência. Isso até nos “machuca” quando não conseguimos dar um amparo para o paciente porque estamos vendo a realidade e o que ele precisa. Corremos atrás, mandamos e-mail, falamos com o Coordenador Regional e batemos encima para tentar ajudar o paciente. Hoje temos a SEMED que é uma grande parceira do município. Cedemos o Hospital Municipal para a realização de estágios e eles cedem algumas especialidades para nós lá. Então, é o que tem nos amparado e conseguimos um acesso para ajudar os nosso pacientes. [...] É uma questão que não depende do município, temos pactuado, compramos cota, mas, o Estado não fornece a vaga. Estamos passando por essa dificuldade em questão de ajudarmos os nossos pacientes [...], infelizmente o poder não está em nossas mãos de fazer este agendamento”, comentou a coordenadora Arilene Rosa.

Sobre o tempo médio dos agendamentos dos exames, a coordenadora informa que não há como delimitar tendo em vista que depende do caso do paciente, pedido do médico, parecer do Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID), entre outras informações que são necessárias para a Central de Regulação Estadual.

Quanto aos exames realizados na Capital, a população não está desamparada. Em Campo Grande há assistentes sociais que realizam a busca dos resultados, facilitando aos pacientes a utilização do serviço. “As assistentes não aparecem, mas, efetuam um serviço importantíssimo para a Central de Regulação”, finaliza a coordenadora Arilene Cidrao Rosa.

O segundo assunto tratado pelos Assessores Parlamentares e responsáveis foi o transporte de pacientes para realização de consultas e exames. A Coordenadora do transporte, Kennia Ferreira iniciou explicando sobre o número da frota existente atual e horários dos transportes.

“São três UTIs Móveis, uma ambulância cedida ao Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) e uma caminhonete para atendimento do Distrito do Areado. Sobre os horários, temos um micro-ônibus que sai às 2h30 da manhã de segunda-feira à sexta-feira e uma van que sai às 9h na segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira. O nosso projeto, para o próximo ano, é disponibilizar todos os dias o transporte para atender a demanda”, disse a coordenadora Kennia Ferreira.

Além dos transportes mencionados, também, possuem uma van da hemodiálise que leva em torna de 15 a 17 pacientes para tratamento. Em paralelo ao transporte dos pacientes, a coordenadoria possui uma lista sobre o INSS, que caso houver lugar nos transporte, entram em contato e informam sobre esta possibilidade de irem até a Capital tratar dos documentos.

As últimas pautas apresentadas e discutidas foram em relação aos remédios de alto custo, onde a Coordenadora de Assistência ao Usuário - Tratamento Alto Custo, Silvane de Fátima de Freitas Coletto, esclareceu dúvidas sobre o assunto.

Os medicamentos de alto custo são medicamentos com elevado valor unitário ou, que pela cronicidade do tratamento da doença ou condição, se tornam caros e muitas vezes inacessíveis para a população.

A Coordenadoria de Assistência ao Usuário disponibiliza este trabalho em conjunto com a Casa da Saúde, Centro Especializado de Doenças Infecto-Parasitárias (CEDIP), Hospital Regional, Hospital do Câncer, Unimed e demais locais que prestam este serviço. A pasta também atende as ações judiciais que solicitam a disponibilização de medicamentos.

“Nós trabalhamos com a Casa da Saúde (Estadual) através de protocolos de atendimento da seguinte maneira: o paciente traz a documentação, encaminhamos e realizamos o cadastro. O atendimento é mensal, porém, o paciente necessita passar a cada três meses por atendimento médico e renovar o processo. Passando os três meses sem o retorno o processo é arquivado. Em média estamos com 230 pacientes na Casa da Saúde e mais de 115 pacientes de ações judiciais, fora os demais locais mencionados acima”, comentou a coordenadora Silvane Coletto.

A farmácia responsável realiza a entrega das medicações no período vespertino pela necessidade de haver a presença de um farmacêutico para a dispensação de medicação e os mesmos possuem uma jornada de trabalho de 4h.

Foto: Divulgação/ASCOM

A Central de Regulação Municipal funcionam de segunda-feira a sexta-feira das 07 às 10 horas e 13 às 16 horas, na rua João Evangelista Rosa, em frente ao Hospital Municipal José Valdir Antunes de Oliveira.

A população pode entrar em contato e retirar dúvidas através dos telefones abaixo:

  • Central de Regulação Municipal: (67) 99815-9436 / (67) 3295-1603
  • Coordenadoria do Transporte: (67) 99815-4487 / (67) 3295-1603
  • Coordenadoria de Assistência ao Usuário - Tratamento Alto Custo: (67) 99208-7196 / (67) 3295-1603
Carregando comentários...
Notícias
Política