Evento mundial sobre Incêndios Florestais ajuda a fazer de MS um estado Carbono Neutro, diz Azambuja

Imagem: Edemir Rodrigues

Reinaldo Azambuja assinou um termo de cooperação técnica, no auditoria da governadoria, para definir atividades, cronograma e obrigações para a realização do WildFire 2019, que será realizado pela primeira vez na América Latina.

09/03/2018 às 13:41 | da Redação, Paulo Fernandes

O governador Reinaldo Azambuja destacou nesta sexta-feira (09) o trabalho conjunto para realizar em Mato Grosso do Sul o maior evento sobre Incêndios Florestais do mundo e a importância do evento para fazer do MS o primeiro do País “Carbono Neutro”. Em sua 7ª edição, o WildFire 2019 será realizado pela primeira vez na América Latina, tendo como sede a Capital do Estado. Reinaldo Azambuja assinou um termo de cooperação técnica, no auditoria da governadoria, para definir atividades, cronograma e obrigações para a realização do evento.

“Acho que Mato Grosso do Sul vai ser o primeiro Estado do País Carbono Neutro. Prevenir fogo ajuda a combater o CO2 e o aquecimento global. Esse desequilíbrio do clima acaba trazendo consequências para o mundo todo. Então, a gente fica feliz com as grandes parcerias que estamos conseguindo para a 7ª Conferência Internacional de Incêndios Florestais”, disse o governador.
Reinaldo Azambuja afirmou que o tema é importante também para evitar desastres ambientais como os incêndios de grandes proporções como o de Portugal, em 2017, que causou diversas mortes.

“O Evaristo [Luciano Evaristo, presidente substituto do Ibama] lembrou o caso de Rondônia, mas nós temos inúmeros outros incêndios florestais no mundo todo que causaram enormes desastres. Recentemente, vocês acompanharam Portugal, que teve destruição de inúmeras áreas rurais, mas também destruições nas cidades. Vimos também na Califórnia, nos Estados Unidos, inúmeros e grandiosos incêndios florestais. Eu morei na minha adolescência sete meses nos Estados Unidos em uma cidade que se chama Peshtigo, no estado de Wisconsin, divisa com o Canadá, e essa cidade foi totalmente destruída por um incêndio florestal. Na época que eu cheguei em Peshtigo, vimos as fotos do incêndio florestal que dizimou a cidade toda”.

Florestinha

Durante o evento, o projeto Florestinha, da Polícia Militar Ambiental, foi muito elogiado pelo presidente substituto do Ibama, Luciano Evaristo. O projeto Florestinha é um trabalho de conscientização ambiental com crianças e adolescente de todo o Estado. “O Projeto Florestinha é fantástico: tira o jovem do mal caminho e coloca ele para preservar”, afirmou. 

Taquari

Luciano Evaristo e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, anunciaram que o próximo grande projeto de conversão de multas realizado pelo Governo Federal será para a recuperação do rio Taquari. O assoreamento do rio é considerado um dos maiores desastres ambientais do Pantanal.

Durante o evento nesta sexta-feira também foi formalizado o repasse de R$ 3,76 milhões de arrecadações de multas para Mato Grosso do Sul. De acordo com o comandante do Batalhão da Polícia Militar Ambiental (PMA), Tenente Coronel Jefferson Vila Maior, os recursos são de multas arrecadadas durante os anos de 2000 a 2005 e serão usados exclusivamente para fiscalização ambiental.

“Fizemos um longo trabalho para recuperar o dinheiro. Metade vai para o Ibama e metade deveria vir para o Estado. Passaram três superintendentes do Ibama no período e agora conseguimos recuperar esse dinheiro”, contou.

Também participaram do evento o chefe da Aviação dos Estados Unidos e do Gerenciamento do Serviço de Combate a Incêndios Florestais, Gordy Sachs, os secretários Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica), Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Antonio Carlos Videira (Justiça e Segurança Pública), senador Pedro Chaves, prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, e o deputado estadual Maurício Picarelli (representando a Assembleia Legislativa).

Carregando comentários...
Notícias
Política