Iagro emite nota técnica sobre caso do Pequeno Besouro das Colmeias em São Gabriel

O Pequeno Besouro das Colmeias (PBC) pode causar danos e prejuízos.

25/07/2019 às 14:37 | do Idest, JWC

A Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro), emitiu nesta quinta-feira (25), uma Nota Técnica sobre a ocorrência de mais um caso do Pequeno Besouro das Colmeias, em Mato Grosso do Sul, detalhando inclusive as medidas adotadas.

Foto: Divulgação

Segundo a nota, os besouros foram coletados em São Gabriel do Oeste no último dia 15 de julho, e resultou confirmatória ao gênero/espécie: Aethina tumida. Em Mato Grosso do Sul, o primeiro caso foi confirmado em  24 de janeiro deste ano em apiário do município de Três Lagoas.

Em condições favoráveis de clima e susceptibilidade das colmeias, enxames fracos, a Aethina tumida pode causar danos e prejuízos. Na fase larval o Pequeno Besouro das Colmeias (PBC) se alimenta dos produtos das colmeias (mel, favos de cria e pólen), afetando a estrutura e organização do enxame. O besouro pode viver na natureza e sobreviver até duas semanas sem comer, voar até 13 quilômetros de distância, sendo capaz de se dispersar rapidamente e invadir novas colmeias.

Na nota a Iagro ressalta a necessidade de manter os enxames fortes e inspecionados com frequência, e que evitem o trânsito de colmeias ou suas partes, povoadas ou não, de uma área de ocorrência para uma área sem registro do besouro, portanto, ressaltamos que os que migrarem com suas colmeias para os municípios de Três Lagoas, Chapadão do Sul e São Gabriel do Oeste estão sujeitos a infestarem suas colmeias com o PBC.

Para estar atualizado quanto ao tema abordado, visitem o site da Iagro, acessem a Sanidade Apícola e consultem a Cartilha Manejo para o Controle do Pequeno Besouro das Colmeias: http://www.iagro.ms.gov.br/defesa-sanitaria-animal-5/

Confira abaixo a nota na íntegra:

A nota:

A nova ocorrência do Pequeno Besouro das Colmeias – PBC (Aethina tumida) em Mato Grosso do Sul, está confirmada por meio de exame de Identificação de pragas por DNA barcoding e Identificação morfológica do pequeno-besouro-das-colmeias (Aethina tumida Murray), conforme laudo oficial (PL – DVO 2019/0419 de 24/07/2019), emitido pelo Laboratório Nacional Agropecuário – LANAGRO/MG, pertencente ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

A amostra (besouros) coletada no município de São Gabriel do Oeste em 15/07/2019 resultou confirmatória ao gênero/espécie:  Aethina tumida.

 Aethina tumida é originária da África subsaariana e chegou à América pelos Estados Unidos e, em outubro de 2007, foi registrado o primeiro caso em países da América Latina, mais precisamente no México. Conforme informação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Pequeno Besouro das Colmeias foi oficialmente registrado no Brasil em 2016. Em Mato Grosso do Sul, o primeiro caso foi confirmado em  24/01/2019 em apiário do município de Três Lagoas.

Conforme relatado em nota técnica Nº 3/2016/CIEP/DSA/SDA/GM/MAPA, a Aethina tumida em condições favoráveis de clima e susceptibilidade das colmeias, enxames fracos, pode causar danos e prejuízos. Na fase larval o Pequeno Besouro das Colmeias (PBC) se alimenta dos produtos das colmeias (mel, favos de cria e pólen), afetando a estrutura e organização do enxame. O besouro pode viver na natureza e sobreviver até duas semanas sem comer, voar até 13 quilômetros de distância, sendo capaz de se dispersar rapidamente e invadir novas colmeias.

A IAGRO, no intuito de minimizar os prejuízos aos apicultores, recomenda e orienta que sejam adotadas nos apiários infestados e também como prevenção  as orientações da Nota Técnica Nº 10/2018/DSE/CAT/DSA/CGSA/SDA/MAPA/SDA/MAPA que prescreve medidas para o controle do Pequeno Besouro das Colmeias – PBC (Aethina tumida). Importante que adotem boas práticas de manejo apícola (raspagem do acúmulo de cera e própolis, substituição de rainhas, favos velhos e quarentena de novas colmeias).

Ressaltamos a necessidade de manter os enxames fortes e inspecionados com frequência, e que evitem o trânsito de colmeias ou suas partes, povoadas ou não, de uma área de ocorrência para uma área sem registro do besouro, portanto, ressaltamos que os que migrarem com suas colmeias para os municípios de Três Lagoas, Chapadão do Sul e São Gabriel do Oeste estão sujeitos a infestarem suas colmeias com o PBC.

Para estar atualizado quanto ao tema abordado, visitem o site da Iagro, acessem a Sanidade Apícola e consultem a Cartilha Manejo para o Controle do Pequeno Besouro das Colmeias: http://www.iagro.ms.gov.br/defesa-sanitaria-animal-5/

Carregando comentários...
Notícias
Agronegócio